sábado, 11 de março de 2017

6ºC: Presidente Bernardino Machado


Este trabalho foi realizado para conhecer melhor este presidente da 1.ª República Portuguesa.

Bernardino Luís Machado Guimarães nasceu no Rio de Janeiro, em 28 de março de 1851. Foi o único Presidente da República Portuguesa que nasceu fora de Portugal, filho de pai português e de mãe brasileira. Em 1860, veio para Portugal com a sua família. Em 1903 aderiu ao Partido Republicano Português. Em 1915, ganhou as eleições presidenciais, mas a 9 de dezembro de 1917 foi convidado a renunciar ao seu mandato e, pouco depois, exilado. Voltou a Portugal e em 1925 candidatou-se novamente à Presidência da República, tendo sido eleito Presidente da República pela segunda vez. A seguir ao Golpe Militar de 28 de Maio foi de novo exilado. Regressou a Portugal em 1940 e foi-lhe fixada residência pelo governo de Salazar a norte do rio Douro, tendo passado a viver no Palacete de Mantelães, em Paredes de Coura e, mais tarde, nos arredores do Porto. Foi no Porto que faleceu, no dia 29 de abril de 1944, aos 93 anos de idade.

Simão Vilarinho

domingo, 5 de março de 2017

6ºC: General Humberto Delgado


Este trabalho foi feito com a intenção de saber mais sobre Humberto Delgado e de perceber o que se passou na época em que ele foi candidato à presidência da república.

Humberto da Silva Delgado nasceu a 15 de maio de 1906 em Boquilobo (Santarém). Frequentou o Colégio Militar (entre 1916 e 1922) e participou no golpe militar de 28 de Maio de 1926 que derrubou a 1.ª República e implantou a Ditadura Militar que, em 1933, iria dar lugar ao Estado Novo liderado por Salazar. Durante muitos anos apoiou o regime salazarista, mas entre 1952 e 1957 viveu nos Estados Unidos, o que acabou por modificar a sua forma de encarar a política portuguesa. Quando regressou a Portugal, aceitou o convite de opositores ao regime de Salazar para se candidatar à Presidência da República, em 1958, contra o candidato do regime, Américo Tomás, com o apoio de toda a oposição ao Estado Novo. Ficou célebre o que afirmou durante a campanha eleitoral, quando um jornalista lhe perguntou como agiria em relação ao Presidente do Conselho Oliveira Salazar, caso fosse eleito: "Obviamente, demito-o!". Em 1965 foi assassinado pela PIDE.

Ivan Rabeca