segunda-feira, 30 de maio de 2011

A visita da Caravana Visão




Na passada sexta-feira, a EB 2,3/S de Caminha recebeu a visita da Caravana Visão, uma inovadora iniciativa desta revista de informação geral que tem percorrido todo o país. Após uma série de concorridas visitas ao acanhado interior da caravana,estacionada à entrada da escola, a jornalista Sara Belo Luís, o foto-jornalista Fernando Veludo e o operador de vídeo José Pinto deslocaram-se ao Auditório para dar uma aula de jornalismo, explicando aos alunos do 6ºC e 6ºD como se fazem, semanalmente, a Visão e, mensalmente, a Visão Júnior.
Foi mais uma importante iniciativa no âmbito da Rede de Bibliotecas de Caminha e, para os mais interessados, a notícia completa sobre o evento, escrita por Sara Belo Luís e publicada no site da Visão, pode ser lida aqui .

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Logótipo da RBC desvendado




Numa cerimónia simples mas plena de significado, que ontem decorreu na Biblioteca da EB 2,3/S de Caminha, foram entregues os prémios aos primeiros classificados do concurso para a escolha do logótipo da recém-criada Rede de Bibliotecas de Caminha. Na presença do vereador da Educação da Câmara Municipal de Caminha, da directora da Biblioteca Municipal, da directora do Agrupamento de Escolas Coura e Minho e de vários alunos e docentes da EB de Vila Praia de Âncora e da EB 2,3/S de Caminha, a aluna do 10º ano do Curso de Artes Visuais desta última escola, Catarina Guardão, recebeu o 1º prémio atribuído pela CMC para um trabalho que, a partir de agora, passa a constituir a nova imagem da RBC. Foi escolhido entre mais de trinta concorrentes oriundos dos estabelecimentos de ensino do concelho por um júri constituído pelo professor António Calvão, representante da EB 2/3 S de Caminha; professora Raquel Ramos, coordenadora interconcelhia de RBE; professora Maria do Rosário Marques, representante da Ancorensis Cooperativa de Ensino; professora Manuelina Danim, representante da EB de Vila Praia de Âncora; Drª.Celina Lopes,directora da Biblioteca Municipal e, por inerência, coordenadora da Rede de Bibliotecas de Caminha. O 2º lugar foi atribuído ao trabalho do Gonçalo Fernandes, colega de turma da vencedora, e foram ainda atribuídas três menções honrosas aos alunos da EB1,2 de Vila Praia de Âncora, Jonathan Terroso, Catarina Domingues e Natália Franco.
De acordo com a memória descritiva apresentada pela vencedora, o logótipo é "representativo da ponte de Caminha, um marco na paisagem do concelho, que fica assim representado na imagem gráfica da sua rede de bibliotecas. A ponte repousa sobre as páginas abertas de um livro que representam o conhecimento e a leitura e que, pela fluidez do desenho, fazem lembrar a própria água. A cor verde foi escolhida por ser a mais marcante na paisagem do Minho, em conjunto com o cinza, uma cor elegante e neutra, apropriada à instituição que representa."

domingo, 22 de maio de 2011

6ºC: Crítica a "História em verso para meninos perversos"


Roald Dhal reescreveu, de modo hilariante, histórias tradicionais que todos conhecem. Quem mais poderia transpor para português, de maneira mais original, estas deliciosas versões? A tradutora é a escritora Luísa Ducla Soares que muito nos tem inspirado a descobrir o prazer de manipular as palavras, sempre com muita arte e muito humor.
Professora ANA PAULA RIBEIRO

O livro é muito interessante e adorei o modo como Roald Dhal conta as histórias que já não ouvia desde pequenina. Além disso, escreveu-as em verso, que não é coisa que qualquer escritor faça.
CÁTIA OLIVEIRA

Eu achei o livro interessante e engraçado. As ilustrações também são boas, acompanhando bem o texto. O Roald Dahl tinha muito jeito para escrever.
MELANIE CURTO

Roald Dahl é um autor excelente e os livros dele são todos fantásticos, como este. Adorei-o, pois gosto de poemas, mas tenho de admitir que já há algum tempo que não lia um livro de poesia.
Este livro é um pouco diferente dos que já li, pois inclui histórias muito conhecidas, como “A Gata Borralheira”, “João e o Feijoeiro Mágico” ou “O Capuchinho Vermelho”, mas em verso.
MARIANA RAMOS

Já conhecia o escritor Roald Dahl pois li a sua obra “Charlie e a Fábrica de Chocolate” nas aulas de Português do passado ano lectivo. Devo confessar que, com este livro, me tornei fã de Roald Dahl! Assim, foi com muito prazer que comecei a ler estes poemas e a relembrar as histórias que me contaram quando eu era pequenino. O que mais me fascinou foi o sentido de humor do autor e a forma inesperada como alguns poemas terminam – são realmente cómicos e aconselho a sua leitura a quem estiver a precisar de se divertir e de dar umas boas gargalhadas!
DUARTE LOPES

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Poesia dita em Dia do Português






Integrado na Semana das Línguas, celebrou-se na quinta-feira o Dia do Português que, entre outros eventos, incluiu uma sessão de poesia à hora do almoço na Biblioteca. Com um programa coordenado pela professora Vera Parente, os alunos mais novos e mais velhos sucederam-se na declamação de poemas de autores portugueses, dando novamente vida ao espaço-cenário criado há dois anos para os momentos de Poesia & Música.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Seminário sobre Fernando Pessoa II



A cidade em Fernando Pessoa foi o tema, entre outros possíveis para abordar o complexo universo pessoano, da palestra da Professora Doutora Rita Patrício aos alunos e professores do 12ºano que ontem decorreu no Auditório. Exemplificando com excertos de poemas, a docente da UM evidenciou a dialéctica existente entre os diversos heterónimos de Pessoa a esse propósito, desde Alberto Caeiro, o poeta campestre da anti-cidade, a Álvaro de Campos, o engenheiro amante da vida urbana: “Há poesia em tudo…na cidade também…na trepidação dos carros nas ruas”. Com Cesário Verde como precursor oitocentista, o poeta do Orpheu, através de Campos, mostrou que aprendera a lição do mestre Caeiro (“o modo directo de sentir”) mas fazendo da cidade uma nova natureza (o artificial pode ser tão belo como o natural), mais adequada ao mundo moderno do início do século XX. Porém, Campos e o seu entusiasmo quase frenético pela grande cidade universal não perdurariam e, sobretudo a partir de 1920, perde-se a euforia inicial para apenas ficar a imensa monotonia de uma cidade de Lisboa no fim da Primeira República percorrida pelo poeta solitário e nostálgico: “Lisboa com as suas casas de várias cores, Lisboa com as suas casas de várias cores…”. A Professora Rita Patrício, que esteve acompanhada na mesa pela docente de Português do 12º ano, Cristina Pereira, terminou a sua palestra com Bernardo Soares e o seu “Livro do Desassossego”, que no fundo sintetiza as experiências e os percursos dos outros heterónimos e do próprio Eu de Pessoa, com uma simples mas sábia lição de vida que vale tanto para o campo como para a cidade: “Se eu tivesse o mundo na mão, trocava-o, estou certo, por um bilhete para a Rua dos Douradores”.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Seminário sobre Fernando Pessoa I


Encerrando um ciclo de seminários promovidos no âmbito da Rede de Bibliotecas de Caminha, decorre amanhã no Auditório um seminário sobre Fernando Pessoa destinado aos alunos e docentes de Português do 12ºano. A conferencista é a Professora Doutora Rita Patrício (n.1972), docente da Universidade do Minho, onde lecciona aulas de Estudos Pessoanos, de Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea e de Teoria da Literatura. Tem diversas publicações nestas áreas científicas e depois de ter feito o mestrado sobre a obra de Vitorino Nemésio, doutorou-se em 2009 com uma tese sobre Fernando Pessoa, orientada pelo Professor Vítor Aguiar e Silva, intitulada: EPISÓDIOS: DA TEORIZAÇÃO ESTÉTICA EM FERNANDO PESSOA onde analisa o olhar pessoano sobre a estética e a arte, em particular sobre a poesia. O sugestivo cartaz que promove o evento é da autoria, como sempre nas coisas da Biblioteca, do professor Fernando Borlido.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

5ºB: Exposição A Floresta


Foi ontem montada no Espaço-Átrio da Biblioteca uma exposição de bonitos desenhos e inovadoras esculturas inspirados na leitura do livro A Floresta de Sophia de Mello Breyner Andresen. Os autores são os alunos do 5ºB que leram e estudaram a obra nas aulas de Português da professora Helena Vau e fizeram depois estes trabalhos nas aulas de Estudo Acompanhado e EVT, com a ajuda dos professores Ricardo Pinheiro e Arsénio Calheiros.